Voltar ao topo

3º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar

06 de Maio de 2019

 

3º Encontro de Comunicação da Saúde Suplementar debateu a importância da Atenção Primária à Saúde (APS) como modelo assistencial eficiente na prevenção de doenças e na promoção à saúde. O evento foi realizado no Hotel Grand Mercure (SP), no dia 23/4/2019.

A pauta foi dividida em quatro painéis: “A jornada do paciente sem e com APS na Saúde Suplementar”; “A APS na visão da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)”; “A jornada do paciente com APS nas operadoras de planos de saúde – resultados práticos; e o “Direito do Consumidor e a atenção primária à saúde”.

A plateia, formada por profissionais de comunicação, executivos das empresas associadas à FenaSaúde e jornalistas especializados e da grande imprensa, totalizou 115 pessoas – 70% a mais que na edição anterior. Entre os veículos de comunicação presentes, destacam-se O Globo, Correio Braziliense, Jornal do Commercio de Pernambuco, Consumo em Pauta e Sonho Seguro.

 Na abertura do evento, o presidente da FenaSaúde, João Alceu Amoroso Lima, ressaltou a importância da APS como instrumento de promoção à saúde e melhoria na qualidade do atendimento ao beneficiário de planos de saúde. Na sequência, Fernando Pesciota, diretor da CDN Comunicação, apresentou um clipping de matérias sobre a APS, como forma de exemplificar como o tema tem sido desenvolvido na imprensa.

No painel “Jornada do paciente sem e com APS”, Gustavo Gusso, professor de Clínica Médica da USP, destacou que o objetivo principal da APS é facilitar e qualificar o acesso do paciente, embora no Brasil haja a percepção contrária – muito em função de que os médicos especialistas acreditam ser generalistas. Por sua vez, Rodrigo Aguiar, diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, lembrou que o órgão regulador está incentivando a adoção da APS por meio da criação do Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde. Já José Cechin, diretor executivo da FenaSaúde, enumerou outras vantagens da APS, como organização e planejamento do atendimento, atuação precisa nas necessidades do beneficiário e redução de custos, no painel “Jornada do paciente com APS nas operadoras de planos de saúde e seus resultados” – redução nos números de internações, por exemplo.

O direito do consumidor também esteve na ordem do dia. Ricardo Morishita, presidente do IDP Pesquisas, assinalou que, se o Brasil passa por esse momento de transição de modelos assistencial e de remuneração, os consumidores precisarão receber informação de qualidade para decidirem assertivamente em qual modelo desejam estar. Juliana Pereira, diretora executiva de Clientes da Qualicorp, por sua vez, reforçou que a fragmentação no cuidado, que faz com que os beneficiários fiquem perdidos em suas jornadas de atendimento, precisa ser resolvido por meio do engajamento. Ela destacou que entre os inúmeros desafios para a adoção da APS no Brasil está a construção de confiança para os consumidores. Sandro Leal, superintendente da Federação, encerrou o encontro reafirmando os esforços das operadoras de planos de saúde e da própria Federação em estimular que a APS seja uma prática em todo o setor da Saúde Suplementar.

Confira as apresentações realizadas no evento

APS Jose Cechin.jpg
A jornada do paciente com Atenção Primária à Saúde nas operadoras de planos de saúde: Resultados Práticos - José Cechin

APS Fernando Pesciota.jpg
Atenção Primária À Saúde - APS na imprensa em 20178 - Fernando Pesciota - diretor da CDN???????

APS Ricardo Morishita.jpg
Atenção  Primária na Saúde Suplementar – Conhecimento e informação para o consumidor decidir - Ricardo Morishita Wada

APS Juliana Pereira.jpg
Atenção Primária na Saúde Suplementar. O desafio de construir a confiança do consumidor - Juliana Pereira

APS Gustavo Gusso.jpg
Atenção Primária à Saúde (APS) na Saúde  Suplementar - Gustavo Gusso