Voltar ao topo

Mulheres fazem diferença no combate ao coronavírus

15 de Junho de 2020 - Coronavírus

A experiência feminina no dia a dia da gestão da saúde tem ficado mais evidente no atual período de pandemia. Mulheres estão se destacando nos esforços de combante à doença. Alguns dos países que até agora melhor têm lidado com o novo coronavírus, como a Alemanha e a Nova Zelândia, são liderados por mulheres. No Brasil, a presença feminina é marcante em várias organizações, públicas e privadas, como foi mostrado no webinar “A gestão da saúde brasileira pelo olhar de lideranças femininas”, promovido pela Iniciativa FIS - Fórum Inovação Saúde nesta sexta-feira (12/6), com a participação da diretora executiva da FenaSaúde, Vera Valente.

“Nunca me senti intimidada, sempre me senti respeitada. Quando você tem conhecimento, você tem segurança. Você se sente no lugar certo, fazendo a coisa certa, independente da questão do gênero”, afirmou a diretora executiva da FenaSaúde, sobre sua experiência como líder na área de saúde.

Vera tem atuado há 22 anos no setor, sempre a convite ou convivendo majoritariamente com homens. Tem visto, nesse período,  mesmo com as diferenças que ainda persistem, a presença feminina aumentar. “Alguns conselhos (de administração) buscam ter a presença feminina. As empresas  precisam de diversidade, precisam de um novo tipo de olhar, de uma nova perspectiva”, disse.

Participaram do webinar, mulheres que têm lidado diretamente com a crise da pandemia atual, não necessariamente na área de saúde: a secretária municipal de Fazenda de Niterói, Giovanna Victer; a vice-presidente do conselho de administração do Grupo Sabin, Janete Vaz; a presidente da Qualirede, Irene Minikoviski Hahn; a antropóloga da Fundação Darcy Ribeiro, Maria Elizabeth Brea Monteiro; e a diretora-geral do Inca, Ana Cristina Pinho. A moderadora foi a diretora da Foco Saúde, Cristina Quadrat.

Para Vera, pelo menos há uma certeza: todos sairemos bem diferentes de todo esse processo envolvendo a pandemia. “Estamos vivendo um grande trauma e não seremos os mesmos. Mas espero que sejamos melhores”, disse.

Confira abaixo a íntegra do webinar

CONTEÚDOS RELACIONADOS